AutoconhecimentoFocoMudança de HábitosProdutividadereprogramação mental

Como Superar a Ansiedade: Saindo do Calabouço do Medo para Trilhar uma Jornada de SUCESSO

como superar a ansiedade
Como Superar a Ansiedade: Saindo do Calabouço do Medo para Trilhar uma Jornada de SUCESSO
(5) 100% (2) votos

Eu confesso a vocês que a ansiedade também me perturba as vezes, mais eu descobri como superar a ansiedade para poder trilhar minha jornada e assim deixar de viver uma vida medíocre e sufocante.

E apesar de ela me perturbar as vezes, ela não me sufoca mais, que é justamente esse o problema da ansiedade quando não está controlada, ela acaba te sufocando e te impedindo de viver o momento presente.

Li numa recente pesquisa que a ansiedade da maioria das pessoas está baseada em:

40% de fatos que jamais acontecerão.
30% de acontecimentos passados que não podem ser mudados.
12% de críticas injustas e falsas de outras pessoas.
10% preocupação com a saúde que somente piora com a ansiedade.
08% de problemas reais que devem ser enfrentados.

Percebemos que 70% das nossas preocupações jamais acontecerão. Quer ajuda? Esse artigo foi feito para você!

O que iremos aprender nesse artigo para vencer a ansiedade de uma vez por todas?

O que é a ansiedade?

O Futuro é agora

Você é feliz?

Como superar a ansiedade?

Quer realmente aprender como superar a ansiedade e ajudar mais pessoas a vencerem esse mal em suas vidas também? Compartilhe esse artigo nas redes sociais?

Facebook

Twiiter

Linkedin

Google+

O que é a ansiedade?

o que é a ansiedade?

A ansiedade é considerada um distúrbio quando ela ocorre em momentos que não se justificam ou quando é tão intensa ou duradoura que acaba interferindo com as atividades normais do indivíduo.

Os distúrbios de ansiedade são o tipo mais comum de distúrbios psiquiátricos.

O termo “ansiedade” tem várias definições: aflição, angústia, perturbação do espírito causada pela incerteza, relação com qualquer contexto de perigo, entre outros.

Devemos entender ansiedade como um fenômeno que ora nos beneficia, ora nos prejudica, dependendo das circunstâncias ou intensidade, e que tornar-se patológico, isto é, prejudicial ao nosso funcionamento psíquico (mental) e somático (corporal).

A ansiedade estimula o indivíduo a entrar em ação, porém, em excesso, faz exatamente o contrário, impedindo reações.

Quando todas as coisas boas da vida se tornam motivo de preocupação, é sinal de que algo está errado.

Ansiedade é o sentimento típico de quem vive no futuro, se preocupando com as coisas que ainda vão acontecer. (Excesso de futuro)

Revista SuperIntessante – Sobre a ansiedade – Karin Hueck 

Oito em cada 10 trabalhadores apresentam algum sintoma de ansiedade ao longo da carreira, segundo pesquisa de uma associação internacional voltada ao estudo do estresse. Em algum momento da vida, você vai sentir a sensação de que não vai dar conta das coisas. Não existe quem nunca tenha sofrido com a ansiedade.

E, acredite se quiser, isso pode ser bom. Mas, afinal, o que é essa sensação?

O Futuro é Agora

o futuro é agora

Para aprender como superar a ansiedade você precisar ficar consciente de que a ansiedade não é uma doença.

Ela faz parte do nosso sistema de defesa e está projetada em quase todos os animais vertebrados, do peixinho até sua mãe. Foi ela que nos trouxe aqui através da evolução.

A seleção natural, aliás, favoreceu animais e pessoas preocupadas em excesso.

Imagine o seguinte: um grupo de homens das cavernas passeia pelos campos da Pré-História, quando, de longe, aparece um tigre dentes de sabre enfurecido.

Aqueles mais inquietos, atentos ao mundo à volta, escapam primeiro. Mas os distraídos (e menos ansiosos) são presas fáceis para o animal – e, assim, também acabam eliminados do rol genético da época.

Transfira isso para milênios e milênios de evolução e o resultado é que todo mundo é ansioso em menor ou maior grau.

Hoje não há mais predadores vorazes à solta para nos atacar. Mas convivemos com outras ameaças.

O primeiro que falou em ansiedade da maneira como a conhecemos foi Sigmund Freud, no fim do século 19, e, ainda assim, com uma definição bem pouco precisa: ansiedade é o medo de “algo incerto, sem objeto”.

O significado mais aceito hoje em dia vem do psiquiatra australiano Aubrey Lewis que, em 1967, descreveu o termo como “um estado emocional com a qualidade do medo, desagradável, dirigido para o futuro, desproporcional e com desconforto subjetivo”.

De uma forma geral, a ansiedade é um sentimento incômodo e projetado para o futuro.

A pessoa ansiosa vive num estado de alerta constante por causa de uma situação que pode acontecer – e causar sofrimento.

Ex: É o caso de um homem que quer conquistar alguém, mas tem medo de ser rejeitado. A crise interna que ele sente nesse momento, em que não sabe se deve ir ou ficar na vontade, é a ansiedade.

O que influencia, e muito, a ansiedade é a nossa maneira de pensar.

“Se a pessoa é muito catastrófica e imagina o tempo inteiro que as coisas vão dar errado, ela sofre mais com a ansiedade”

Essa ideia de pensamento catastrófico faz uma pessoa ser mais preocupada do que outra. E é central para entender a ansiedade no ser humano.

Ex: Pegue o caso da mulher que está sozinha em casa e ouve um barulho na porta de entrada. Em vez de lembrar que é seu filho voltando da escola, ela imagina que são ladrões tentando invadir sua casa – e começa a sentir ansiedade. Se tivesse pensado que poderia ser simplesmente o filho, ela não teria sofrido nenhum desconforto.

Por mais que essa linha de pensamento seja irracional e automática, é algo que podemos aprender a controlar quando nos conhecemos melhor.

“Enquanto que na Antiguidade, a ansiedade surgia de fatores externos, como doenças e catástrofes naturais, a dos nossos tempos é imposta por nós mesmos. Podemos até chama-la de ansiedade neurótica”, diz Christian Perring, professor de filosofia da Universidade Dowling em Nova York, que estuda a relação entre filosofia e psiquiatria.

Os fatores que mais causam preocupação atualmente são coisas muito menos tangíveis, como satisfação no emprego, realização amorosa, visual perfeito.

Como nossos antepassados ainda estavam ocupados em sobreviver, dificilmente tinham as crises e neuroses que temos agora.

De fato, boa parte das nossas apreensões vem das milhares de possibilidades de escolha que temos hoje em dia.

As opções são muitas. Se no século 18, havia apenas 20 empregos diferentes nos quais uma pessoa podia fazer carreira, hoje esse número já passa dos 20 mil – e continua aumentando.

O tempo que cada trabalhador passa num emprego também não pára de diminuir.

O Ministério do Trabalho dos EUA calcula que um empregado vá passar por 10 a 14 cargos diferentes antes dos 40 anos.

O número de divórcios aumentou 13 vezes em 3 décadas. Esses dados são impressionantes, se lembramos que antigamente casamento e emprego duravam muito mais, se não a vida inteira.

“Vivemos a ideologia da escolha, somos donos da nossa própria vida e só dependemos de nós mesmos para encontrar a felicidade.”

Você é feliz?

você é feliz

Essa é uma pergunta bem intima, mas que revela um dos motivos da sua infelicidade.

E se realmente você deseja entender como superar a ansiedade para de se enganar. A vida quer lhe dar o melhor, não se conforme com uma vida medíocre.

A ansiedade é uma das maiores ladras de alegria, pois ela te rouba o prazer de desfrutar da verdadeira alegria. Rouba-te a satisfação pela vida.

ANSIEDADE É “PREOCUPAÇÃO” – eu me ocupo antes por um problema que ainda não chegou, ou eu sofro por um problema que não está acontecendo ainda como se ele já tivesse acontecendo.

Ela nunca resolve coisa alguma. É como se movimentar, mas sem sair do lugar. É como acelerar o motor do carro com o câmbio em ponto morto.

Você faz bastante barulho, mas não vai a lugar algum.

Ansiedade nunca resolveu qualquer tipo de problema.

Ansiedade não pode alterar coisa alguma do nosso passado.

Ansiedade não pode controlar o nosso futuro; ela serve apenas para tornar o nosso presente miserável. É imprestável.

Veja aqui o nosso artigo sobre como ativar o seu estado de flow e descobrir novos níveis de felicidade.

Como superar a Ansiedade?

como superar a ansiedade vencendo o medo

Essa é a pergunta que vale 1 milhão de reais rs.

Alguém que me ajudou bastante nesse processo me ensinando como superar a ansiedade de todas as formas foi o Dr. Deepak Chopra. Em alguns de seus livros pude aprender em que nível de realidade eu estava vivendo ou criando.

A ansiedade cria uma falsa imagem do mundo, vendo ameaças em situações que na verdade são inofensivas. A mente cria o medo. Se ela puder desfazer a percepção dele, o perigo desaparece.

Para começar, a vida não pode existir sem medo, mas ele gera paralisia e sofrimento. Os dois aspectos, um positivo e o outro negativo, encontram-se dentro do cérebro.

Para pessoas que sofrem de transtorno de ansiedade generalizada (uma das queixas mais comuns na sociedade moderna), a solução de curto prazo é química: tranquilizantes.

Já alertamos sobre os efeitos colaterais das drogas químicas, mas o maior problema é que elas não curam desordens de humor, entre elas a ansiedade.

Assim como a tristeza é universal, enquanto a depressão é anormal e prejudicial, o medo é universal, enquanto a ansiedade generalizada consome a alma.

Como pontuou Freud, nada é mais indesejável que a ansiedade. Estudos médicos revelaram apenas algumas coisas a que o sistema mente-corpo não consegue se adaptar: uma é a dor crônica, do tipo que não tem remissão (como o câncer ósseo avançado), e a outra é a ansiedade.

A solução é você se desfazer do medo pois ele é uma criação sua.

O medo é incapacitante. Você acaba se sentindo fraco demais para fazer alguma coisa contra ele.

Quando alguém está assustado, pode ficar paralisado de medo.

Um bombeiro diante de uma casa em chamas ou um policial diante de um assalto também podem sentir o mesmo medo, medido fisicamente pelas mudanças em seus cérebros.

Mas se o bombeiro ou o policial forem veteranos, o medo não os imobiliza.

Eles se relacionam com esse sentimento de uma maneira diferente de um bombeiro que nunca entrou em um incêndio ou de um policial que nunca participou de uma caçada a assaltantes. Em outras palavras, ficar paralisado de medo depende de algo mais do que apenas a reação corporal ao medo.

A capacidade que o medo tem de paralisar é misteriosa e mutável.

Um alpinista experiente pode estar desfrutando uma escalada, sem nenhum risco especial à sua frente, quando de repente estaca, não consegue se mexer.

Ele congela na face da rocha porque sua mente, em vez de aceitar como natural o risco de cair, pensa “Meu Deus, vejam onde estou!”.

O medo de cair toma conta dele, e não importa quantas vezes tenha escalado a mesma parede rochosa. Ele computou a experiência de uma maneira diferente.

A maneira como escolhemos reinterpretar uma informação bruta pode trabalhar em nosso benefício.

Franklin Roosevelt declarou uma verdade universal quando disse que:

“a única coisa que temos a temer é o próprio medo”.

A maneira de nos livrarmos de qualquer medo é superar seu poder de nos assustar.

Mente, cérebro e corpo estão conectados. Ter medo do medo gera todos os tipos de sintomas, como fraqueza muscular, fadiga, perda de entusiasmo e energia, esquecimento de que um dia não se tinha medo, falta de apetite e de sono – a lista é grande.

Imagine que no meio da noite você se descubra pendurado num penhasco. Na escuridão, você fica apavorado com a ideia de despencar e morrer. Então alguém se aproxima e diz: “Não se preocupe, a queda é de apenas 1 metro”.

Imediatamente, você se relaciona com sua reação ao medo de uma maneira nova.

É fácil sentir pânico e impotência quando se está pendurado num penhasco, mas, quando o medo desaparece, o corpo todo muda. Mesmo que o medo permaneça, saber que você está seguro envia um sinal ao cérebro para restaurar seu estado normal.

Quando a ansiedade nos diz que corremos um grande risco, o corpo não funciona como um reostato − capaz de controlar a reação de medo para cima e para baixo –, ele apenas liga e desliga.

Para livrar-se do medo de ficar ansioso, você precisa cultivar pensamentos como os seguintes:

• Por mais assustador que isso seja, não vou morrer.
• Preciso enfrentar minha sensação exagerada de perigo.
• Como sei que vou sobreviver, posso me arriscar a não fugir do medo.
• Posso encarar o medo e fazer coisas que me assustam.
• Quanto mais eu enfrentar o medo, mais domínio terei sobre ele.
• Quando eu tiver controle total sobre ele, meu medo desaparecerá.

Uma reprogramação mental mais profunda pode te ajudar bastante nesse processo, por isso clique aqui para você ver o nosso Guia Completo de Reprogramação Mental aonde você não vai só aprender como superar a ansiedade mas aprenderá a condicionar o seu cérebro para atingir o que você quiser.

Para fechar com chave de Ouro, deixo uma palestra completa de um dos maiores especialistas em Gestão da Emoção,  Dr. Augusto Cury que é um médico psiquiatra, professor e escritor brasileiro. É o autor da Teoria da Inteligência Multifocal. E fala de ansiedade de uma forma espetacular.

CONCLUSÃO

Talvez essas informações não resolva todos os seus problemas, mais precisamos dar um passo de cada vez.

O acumulo de informação hoje em dia tem causado muita ansiedade e tem gerado uma overdose de informação em muitas pessoas.. analise com calma, leia, releia, e absorva o Maximo que você puder.

E deixe seu comentário falando sobre o que você achou do artigo, se lhe ajudou, se realmente você aprendeu como superar a ansiedade, e até se você conhece alguma técnica para está nos informando. Um grande abraço para você!

Share:
Perfil Alinhamento Mental

Deseja Sair da Teoria e ir Para o Próximo NIVEL em TODAS as Áreas da Sua VIDA?

Coloque seu e-mail abaixo e faça parte dessa comunidade de revolucionarios que mudam a si mesmos e estão TRANSFORMANDO TUDO a sua volta!

Lhe enviamos um e-mail para você confirmar que realmente deseja fazer parte da nossa comunidade! Vai lá =)